O que você procura?

Feedback no trabalho

Trata-se realmente de uma ferramenta importante?

Apresentar feedback é atividade rotineira no ambiente profissional, seja para companheiros, chefes ou equipes. Mas, qual o real significado desse termo? Feed significa alimento ou alimentar, sustentar, enquanto back pode ser traduzido como voltar, para trás, costas, segundo o dicionário Michaelis. Na prática, feedback é ação de dar retorno sobre algo. No caso do trabalho, entende-se que é dar parecer ou retorno perante um relatório, uma apresentação, um comportamento, uma proposta de melhoria, uma ideia ou um projeto.

Apesar de ser uma atividade comum nos dias atuais, não é ensinada durante o curso de graduação, isto é, não existe uma aula específica para tal atividade. Assim, é raro encontrar profissionais que saibam criticar ou elogiar os colegas sem causar desconforto. É verdade também que essa questão está relacionada a características emocionais de cada pessoa. Segundo João Marcelo Furlan, CEO da consultoria Enora Leaders, quanto mais baixa for a inteligência emocional, mais problemas se tem, seja para dar ou receber.

"É importante escolher o momento adequado, em particular, de preferência pessoalmente ou no máximo por telefone, e iniciar a conversa com uma frase parcecida com: 'Agora vou te dar um feedback, tudo bem?'", diz Furlan. Ele afirma que a utilização da palavra facilita a comunicação sobre o que será tratado naquele momento, além de ser mais vantajoso preparar o indivíduo para ouvir.

"A pior forma de dar um feedback é 'detonar' o outro. Se você não dá nenhuma esperança para a pessoa de que ela pode melhorar, pode criar o efeito 'halo', que funciona como uma generalização errônea da crítica: 'se eu sou ruim nisto, é porque sou ruim em tudo'", completa o CEO.

Algumas expressões não representam a forma correta de fazer uma crítica, por exemplo. "Você foi", "você fez" ou "você desrespeitou" indicam acusação, o que pode fazer com que o outro se assuste. Trazer a responsabilidade para si é uma solução, como no caso da frase "eu me senti desrespeitado". O psicoterapeuta Luiz Fernando Garcia fala que sentenças com tom de hipótese é um caminho para iniciar, e que suposições com sentidos verdadeiros é algo que não deve ser feito.

Garcia afirma ainda que feedbacks genéricos oferecem perigo. "O feedback tem que ser específico, concreto, claro, simples, em tom de narração." Ele diz que contar uma história permite à pessoa visualizar o ocorrido.

Dicas

Confira abaixo como se comportar durante reuniões de feedback, seja para falar ou ouvir:

1) Inicie pelo lado bom: O começo deve focar nos pontos positivos, isto é, elogios no início diminuem tensão, o que não significa mentir.

2) Não seja genérico: Tanto as afirmações positivas quanto as negativas precisam ser concretas. Cite exemplos sobre os fatos e não diga apenas que existem atrasos em entregas.

3) Crie um ambiente estratégico: Feedbacks devem ser apresentados em lugares específicos e de preferência longe da equipe, que é um dos fatores de maior preocupação para quem vai receber.

4) Regras devem ser estabelecidas: Enquanto um fala, o outro apenas escuta. Isso possibilitará que a conversa não fique monótona ou se torne um jogo de acusações e defesas.

5) Evite o tom de acusação: Como já foi dito nesta matéria, utilizar expressões como "você fez" ou "você é" indicam acusação. Assim, "eu sinto que você foi" ou "eu tive a sensação de que você fez" são frases mais aconselháveis.

6) Escute: Após falar o que pensava, pare e ouça o que o outro tem a dizer.

7) Conclua rapidamente: A conversa deve acabar com uma breve recapitulação. Não deve haver uma discussão longa, pois só será refletido após ambos finalizarem a atividade.

8) Dê reforço positivo: Fazer elogios após notar evolução no comportamento ou atitude é importante. Porém, se for muito repetitivo poderá parecer artificial.  


Por fim, lembre-se que escutar críticas, sejam positivas ou negativas, é a base para a evolução profissional em qualquer área.

 
Para saber mais:


[ Matéria publicada originalmente na Intranet DGRH em 26/07/2017 ]